quarta-feira, 19 de julho de 2017

quinta-feira, 13 de julho de 2017

20a Romaria das águas/terra/MG em Unaí, dia 23/7/17: na Rádio Veredas, f...

Vem aí a 20ª Romaria das Águas e da Terra de Minas Gerais, dia 23 de junho de 2017, em Unaí, MG. Venham Participar!

Vem aí a 20ª Romaria das Águas e da Terra de Minas Gerais, dia 23 de junho de 2017, em Unaí, MG. Venham Participar!

Tema: Povos da Cidade e do Sertão Clamando por Água, Terra e Pão!
Lema: Povos, Rios, Veredas e Nascentes são Dons de Deus em Romaria e Resistência.


Deus criou a terra e a água para que haja vida em abundância para todos! A terra é mãe e a água, nossa irmã. Participe!
Após 12 pré-romarias e uma Semana de Caravana Cultural/Shows Eco Lógico, a Celebração Final na 20ª Romaria das águas e da terra de MG acontecerá em Unaí, Diocese de Paracatu, dia 23 de julho de 2017, das 08h00 às 17h00.

Programação da 20ª Romaria das Águas e da Terra de MG: Dia 23/7/2017, domingo:
Às 8 horas – Acolhida e concentração ao lado do antigo Posto Beira Rio.
Às 8h30 – Oração inicial e abertura oficial da 20ª Romaria.
Às 9 horas – Início da Caminhada que irá até o Parque de Exposição.
1ª parada – na ponte do Rio Preto – Grito das águas.
2ª parada – na Praça da Matriz – Palavra da Igreja e do Papa Francisco.
3ª parada – na Praça São Cristóvão – Grito da terra.
Às 11 horas – Show Eco Lógico com os cantores Carlos Farias e Wilsom Dias no Parque de Exposição.
Às 12h20 – Almoço (marmitex a um bom preço) e Momento Cultural.
Ás 14 horas – Missa de encerramento da 20ª Romaria com o bispo Dom Jorge Bezerra, padres e diáconos presentes.

Organizem Caravanas e venham participar!
Confira a programação completa no Blog da 20ª Romaria das Águas e da Terra de MG:
No Facebook: XX Romaria das águas e da terra de Minas – 2017.
Contato: nas secretarias das Paróquias de Unaí.

Promoção: Diocese de Paracatu, Cáritas Diocesana de Paracatu, Comissão Pastoral da Terra (CPT) e as paróquias N. Sra. da Conceição, São João Batista, São José e N. Sra. do Carmo (Santuário), de Unaí.
Apoio: Adveniat e Misereor.



Vem aí a 20 Romaria das águas e da terra de MG, em Unaí, MG, dia 23/7/2017, das 08h00 às 17h00. Venha participar!

Vem aí a 20 Romaria das águas e da terra de MG, em Unaí, MG, dia 23/7/2017, das 08h00 às 17h00. Venha participar!

Fizemos 12 pré-romarias da 20a Romaria das águas e da terra de MG em 12 cidades (Uruana de Minas, Buritis, Arinos, Chapada Gaúcha, Serra das Araras, Urucuia, Unaí, Santo Antônio do Boqueirão, Paracatu, Bonfinópolis de Minas, Três Marias/São Gonçalo do Abaeté, e João Pinheiro). Fizemos uma Caravana Cultural com 06 shows Eco Lógico com os cantores Carlos Farias e Wilson Dias, com participação de artistas locais, em Três Marias, Paracatu, João Pinheiro, Bonfinópolis, Arinos e Uruana de Minas. Faremos uma Semana de missões, de 15 a 22/7/2017 nas 4 paróquias de Unaí e comunidades do campo, inclusive. Nossa eterna gratidão a todos/as que somaram forças nas Comissões Organizadoras nas 12 cidades e a todos/as que participaram das pre-romarias, da caravana cultural e que participarão da Celebração "final" da 20a Romaria das águas e da terra de MG, em Unaí, dia 23/7/2017. Feliz quem não tardar mais a ingressar na luta coletiva em defesa da mãe terra, da irmã água, dos povos e de toda a biodiversidade! As águas, a terra, os povos, os animais, os biomas e todos os seres vivos estão clamando por vida e por respeito. Não podemos esperar desencadear uma guerra por migalhas de água! A mãe terra não suporta mais tanto veneno! Somos filhos/as do Deus da vida e também somos filhos da terra e das águas. Acompanhe e divulgue o blog da 20a Romaria das águas e da terra de MG:



Promoção: Comissão Pastoral da Terra (CPT), Cáritas Diocesana de Paracatu, Diocese de Paracatu e as Paróquias de Unaí: São João Batista, N. Sra da Conceição, São José e  N. Sra. do Carmo (Santuário). Apoio: Adveniat e Misereor.

sábado, 8 de julho de 2017

Apóstolo Paulo, trabalhador e agente de pastoral emancipadora: subsídio para o Mês da Bíblia sobre 1ª Carta aos Tessalonicenses

Apóstolo Paulo, trabalhador e agente de pastoral emancipadora[1]: subsídio para o Mês da Bíblia sobre 1ª Carta aos Tessalonicenses
Por frei Gilvander Luís Moreira[2]



CANTO DA 1ª CARTA AOS TESSALONICENSES
(Música: ‘Quero ouvir teu apelo, Senhor’- Ir. Míria T Kolling. Letra: Marysa M. Saboya)
3. Sem fronteiras tu és, Missionário!
    E dedicado Pastor das igrejas,
    Que qual “mãe” tu geraste e guardaste.
    Paulo Apóstolo, bendito sejas!

              Mas isso não é tudo:/ Foste um trabalhador
              E, mesmo evangelizando,/ Comeste o pão do suor!
              Na contramão do império,/ Valorizaste o pobre,
              O escravo e as mulheres/ E não quiseste ser nobre.

3.1. Preliminares
As cartas do apóstolo Paulo foram escritas na década de 50 do primeiro século da era cristã. Leituras fundamentalistas – literalistas - cometem injustiças contra o apóstolo Paulo maltratando-o e caluniando-o como “legalista, misógino, antissocial, conservador...”. Essas acusações são injustas e geralmente são feitas por pessoas que o conhecem ‘por ouvir dizer’, através de leituras litúrgicas escolhidas sob intenções que buscam afirmar o status quo religioso.
Por volta de meados do século XX, as convicções de que o livro de Atos dos Apóstolos constituía a biografia mais segura da vida, práxis e ensinamento de Paulo ruíram-se. Os Biblistas criaram o Princípio de Knox que podemos resumir nos seguintes termos: os Atos dos Apóstolos podem ser utilizados para complementar os dados das cartas, jamais para corrigi-los. Logo, quando encontramos contradições históricas entre narrativas de Atos dos Apóstolos e narrativas das Cartas Paulinas devemos dar mais consistência histórica ao narrado pelas Cartas Paulinas, pois Atos dos apóstolos não é um livro de história das primeiras comunidades cristãs, mas um livro de Teologia da História das Primeiras Comunidades Cristãs.
Resgatar o ensinamento e o testemunho do apóstolo Paulo e da Comunidade Cristã de Tessalônica – uma grande cidade - pode oxigenar a nossa vida cristã. Paulo, ao lado de muitas mulheres, dos Helenistas - como Estevão, Filipe, Barnabé – de Silvano, Timóteo e ... inculturou o evangelho do Movimento Popular religioso-político de Jesus Cristo no meio urbano – nas periferias das grandes cidades -, onde várias idolatrias grassavam. Paulo e seu grupo romperam muitas barreiras. Paulo foi um grande profeta, apaixonado por Jesus de Nazaré e pelo seu projeto de libertação integral de todos. E acima de tudo Paulo era um entusiasmado pelo testemunho libertador das primeiras comunidades cristãs, quando ainda eram ecumênicas, inculturadas, faziam opção pelos pobres, valorizavam a liderança das mulheres e acolhiam os clamores dos injustiçados da periferia, sendo de fato, ‘luz, sal e fermento’ no mundo do Império Romano.
Levando no coração e na memória os clamores da classe trabalhadora e da classe camponesa, atentos à palavra das mulheres lutadoras e das pessoas ecumênicas, dos profetas e profetisas do presente, se lidos a partir do seu contexto histórico e captando suas intenções, os escritos paulinos inspiram-nos: a) a testemunhar inculturação nas grandes selvas de pedra que são as grandes cidades; b) a resgatar a força da profecia que consola os aflitos, mas incomoda os opressores; c) na construção de comunidades – e de uma sociedade com campo e cidade - que sejam espaço de acolhida de todas as pessoas e todos os seres vivos a partir dos injustiçados; d) a superar os fundamentalismos e os (neo)paganismos atuais; e) a inserirmo-nos no mundo dos pobres se comprometendo com suas causas/lutas pelos seus direitos.
O apóstolo Paulo observou que o Concílio de Jerusalém (At 15,1-35), realizado por volta do ano 50 do primeiro século da era cristã, tinha aceitado uma reivindicação vital para as igrejas da periferia: abolir a circuncisão. Paulo enfatizou que a igreja-mãe – a de Jerusalém - tinha feito um único pedido: “Não esqueçam os pobres” (Gal 2,10).
Importante recordar que Paulo não era um dos doze apóstolos. Ele foi reconhecido pelas primeiras comunidades cristãs como apóstolo, não como aquele que um título ou exerce um poder sobre a comunidade, mas como missionário autêntico, porta voz e testemunha do Evangelho de Jesus Cristo. Diz Paulo: “Deus nos achou dignos de confiar-nos o Evangelho e assim o anunciamos” (1 Ts 2,4). Paulo é autônomo – não independente - na sua atividade missionária, não é um mero funcionário de uma instituição. Por isso ele cultiva liberdade de espírito, coragem e intrepidez na defesa do Projeto de Jesus Cristo que quer vida e liberdade em abundância para todos e tudo.
Primeiro escrito de Paulo e primeiro do Novo Testamento, os cinco capítulos que compõem a Primeira Carta aos Tessalonicenses revelam características da atuação do apóstolo Paulo e de suas companheiras e companheiros que demonstram como Paulo, trabalhando, anunciava o evangelho o Evangelho de Jesus Cristo, que é ótima notícia para os oprimidos, mas péssima notícia para os opressores. Observe-se que a Carta não é de Paulo aos Tessalonicenses, mas de “Paulo, Silvano e Timóteo à comunidade de Tessalônica” (1 Ts 1,1a). É um coletivo que escreve e evangeliza. Referem-se a Deus como Pai (1 Ts 1,1b.3a) e a Jesus como Cristo e Senhor (1 Ts1,1b.3b). Isso, de saída, revoluciona várias coisas:
a) Insufla na comunidade que Deus não é aquele tremendão, ‘todo poderoso’, distante e juiz castigador, mas Deus é Pai de infinito amor, está próximo, em nós, no outro e em tudo. O Deus de Paulo considera todos e tudo como filhos e filhas. Essa imagem de Deus cultiva a fraternidade;
b) Afirma que Jesus é Cristo, filho de Deus, ungido: a luz e a força divina estão no humano, em Jesus e em todo ser humano;
c) Paulo, Silvano e Timóteo tiveram a ousadia de defender que Jesus é Senhor (kyrios, em grego), como aparece várias vezes na 1ª Carta aos Tessalonicenses[3]. Isso é subversão político-religiosa, pois na época, em pleno Império Romano, ‘Senhor’ era o Imperador, que era considerado um deus. Logo, afirmar que Jesus é Senhor destrona os poderosos da terra a começar do imperador. O ensino e o testemunho das primeiras comunidades cristãs, sob a liderança do apóstolo Paulo, de Barnabé e muitos/as outros/as missionárias/os buscavam implodir o culto dominante, pois afirmavam: “Não é o Império que salva - há um novo defensor dos pobres: Jesus Cristo! Quem é senhor não é o imperador, mas Jesus Cristo”. Por tudo isso, vários cristianismos originários foram acusados de violadores dos “decretos de César” (Cf. At 17,7), e, portanto, subversivos.

Especificamente nos textos 1 Ts 2,1-13.17-19; 3,1-11; 4,10b-12; 5,12-13, o apóstolo Paulo demonstra seu jeito libertador de ser e de atuar como missionário, mostra como ser liderança que inspira e produz outras lideranças libertadoras. A dedicação de Paulo ao trabalho manual é algo eloquente e profético.
Para interpretarmos de uma forma sensata e libertadora os textos da 1ª Carta das Tessalonicenses é preciso lermos nas linhas e nas entrelinhas, além de considerar o texto no seu contexto e pretexto. É o que veremos a seguir.

3.2. Características do ser e do agir de Paulo, trabalhador e agente de pastoral que busca emancipar o povo das comunidades
Não basta ser qualquer tipo de pessoa cristã e nem qualquer tipo de agente de pastoral. Não basta ter fé em Deus e em Jesus Cristo, mas é preciso ter a fé de Jesus Cristo. Não basta amar Jesus, mas é preciso se comprometer com o projeto de Jesus, que é um projeto de libertação integral das pessoas e da sociedade. O ensinamento e a práxis do apóstolo Paulo segundo a Primeira Carta aos Tessalonicenses revelam várias características que podem nos inspirar na nossa atuação pastoral e no nosso trabalho. Ei-las, abaixo.

3.2.1. Paulo alimenta as relações fraternas
Eloquente é a forma como o apóstolo Paulo inicia o 2º capítulo da Carta aos Tessalonicenses: “Irmãos, vocês nos acolheram e bem sabem que não foi em vão. Apesar de maltratados e insultados em Filipos, como sabem, encontramos em nosso Deus a coragem de anunciar a vocês o Evangelho de Deus em meio a forte oposição” (1Ts 2,1-2). Paulo conclama a todos para a prática de relações fraternas: “Irmãos, ...”, palavra que aparece dezenove vezes na carta[4]. Ele não se refere à comunidade como clientes, nem senhores, nem homens e mulheres, nem como ricos e pobres, mas como “irmãos”, pois ele busca cultivar a dignidade humana de todos/as, sem discriminação. Ninguém é melhor que ninguém. O apóstolo Paulo não chega sozinho em Tessalônica, mas com um grupo, busca evangelizar em mutirão. Ele sabe que juntos e atuando de forma organizada, pode superar muitas injustiças, pois atuações isoladas têm efeitos efêmeros.
Paulo intui o sentido mais profundo de tudo: “Não foi em vão” a acolhida oferecida. Paulo via a mão de Deus atuando em todos os acontecimentos, desde os mais simples.

3.2.2. Paulo era homem corajoso em meio a perseguições em contexto violentador
Paulo chega à comunidade como um perseguido e ameaçado de morte: “maltratados e insultados em Filipos” (1 Ts 2,2a). Parte dos judeus – os saduceus e os fariseus enriquecidos e moralistas – perseguiram até à morte Jesus de Nazaré e muitas outras pessoas que abraçaram o Evangelho do Nazareno. Além disso, perseguem Paulo e seus companheiros tentando impedir que eles anunciem o Evangelho de Jesus Cristo aos pagãos. Querem privatizar Deus e controlá-lo.
Em Tessalônica também quem adere ao Evangelho é perseguido (1 Ts 1,14-15). Portanto, perseguidos e injustiçados acolhem quem está sendo perseguido e injustiçado. São os oprimidos dão as mãos para juntos se libertarem. Paulo cultiva a coragem de anunciar o Evangelho de Jesus Cristo em ambiente hostil onde campeia injustiças e violências. Paulo não tem medo e sabe que a luta coletiva em prol de uma causa justa expulsa o medo e infunde coragem para propor caminhos emancipatórios e denunciar as engrenagens que violentam o povo. Para Paulo, fé não é crença em doutrinas ou dogmas, mas é uma posição de coragem, cabeça erguida – postura existencial - diante da vida e dos problemas. Segundo a Bíblia, fé é sinônimo de coragem. Quem tem fé tem coragem. Quem não tem fé tem medo, e vice-versa. Não cultivamos nossa fé apenas por orações, mas pela prática da solidariedade e pelo compromisso com a justiça na luta ao lado dos oprimidos. Bom remédio para melhorar nossa fé é a luta coletiva em prol de direitos sociais do povo injustiçado. Quanto mais a gente participa de lutas concretas menos medo temos e mais coragem adquirimos. Por isso é que normalmente se houve no meio dos Sem Terra e dos Sem Casa, os que estão na luta por direitos: “Não temos medo. Perdemos o medo na hora que entramos nessa terra abandonada que Deus nos prometeu”.

3.2.3. Paulo é sincero e não exalta a si mesmo
Diz Paulo: “Nós nunca usamos de bajulação” (1 Ts 1,5). Se na Carta está escrito isso é sinal de que havia muitos líderes religiosos bajuladores e, assim, traidores do evangelho de Jesus Cristo. Ser sincero (sem cera) na atuação em prol do Evangelho era uma característica da atuação de Paulo. Quantos padres, pastores e líderes religiosos que atualmente amoldam seu discurso e prática para agradarem a quem está no poder e, consequentemente, receber benesses! Muitos/as missionários/as foram incompreendidos e perseguidos por suas comunidades, porque falavam a verdade e denunciando as injustiças e, por isso, deixaram de receber presentes e ficaram falando ‘pras paredes’. Vários foram expulsos de suas comunidades, inclusive. Em uma sociedade desigual como a nossa – sociedade capitalista – um dos termômetros para aferirmos se estamos sendo coerentes com o Evangelho de Jesus Cristo é: estamos sendo perseguidos pelos poderosos ou estamos sendo elogiados por eles e por todos? Se estivermos agradando a ‘gregos e troianos’, ou seja, a opressores e aos oprimidos, pode saber que estamos falsificando o Evangelho proposto por Jesus, projeto que lhe custou a vida sob pena de morte.

3.2.4. Paulo não fica restrito a uma comunidade, mas, como peregrino, mantém comunicação com todas as comunidades alimentando-as através de cartas
Paulo atuou como missionário na comunidade cristã na periferia de Tessalônica. Criou laços de amizade, admiração, respeito e amor com os integrantes da comunidade, mas teve que continuar sua missão em outros territórios. Distante, Paulo sente saudade, prova de que ama quem está “distante dos olhos, mas perto do coração” (1 Ts 2, 17). Saudade que não é sofrer, mas é a certeza de que ama as companheiras e os companheiros de missão que estão distantes, vivendo em outras comunidades e batalhando em prol da justiça do reino de Deus. Um jeito que Paulo descobre de continuar a missão sem a presença física permanente é escrever cartas. Assim, Paulo valoriza a microcomunicação. Atualmente, provavelmente Paulo reforçaria sua atuação missionária enviando cartas, mensagens, fotos e vídeos através da internet, inclusive.

3.2.5. Paulo alimenta a perseverança. “Não desistam da luta!”
Que ninguém fique abalado com as presentes tribulações” (1 Ts 3,3a), conclama o apóstolo Paulo na primeira Carta endereçada à Comunidade Cristã da periferia da grande cidade de Tessalônica, carta levada por Timóteo, companheiro de Paulo na missão. ‘Tribulações’ diz respeito a repreensão, opressão e repressão. Repreensão é pressão psicológica, censura, constrangimento, retirada de liberdade. Opressão é pressão econômica: retirada dos meios econômicos necessários para se viver com dignidade. Isso o sistema capitalista faz diariamente ao sugar a força de trabalho pagando apenas um mísero salário e os frutos do trabalho ficando para o proprietário dos meios de produção (terra, indústria, fábrica etc.) gerando mais-valia e acumulação de capital. Repressão é pressão política: prender, torturar, matar, eliminar a pessoa. Portanto, Paulo anima a resistência diante de tudo isso, não apenas diante de angústias pessoais.
O sistema capitalista e as tendências religiosas que privatizam a fé e a relação com Deus estimulam aos quatro ventos o individualismo e o egocentrismo, vírus que dilaceram o tecido social. Esquecem que Deus ajuda quem luta em comunidade, em mutirão e de forma organizada. Se vigora o ‘cada um pra si”, Deus não ajuda. Só perde quem não se engaja nas lutas sociais ou delas desistem. Quem persevera na luta coletiva por direitos humanos fundamentais conquista direitos, mais cedo ou mais tarde. Isso é o que Paulo diz aos tessalonicenses.

3.2.6.Paulo reconhece a fé (= coragem), o amor mútuo e a gratidão da comunidade
A (= coragem) que vocês têm é um consolo para nós na tribulação” (1 Ts 3,7), reconhece feliz da vida o apóstolo Paulo ao obter notícias da comunidade de Tessalônica por intermédio do companheiro Timóteo. E também “o amor mútuo e a gratidão de vocês por nós” (1 Ts 3, 6). “Vocês aprenderam do próprio Deus a se amarem uns aos outros” (1 Ts 4,9). Claro que ninguém é perfeito e não há comunidade perfeita. Muitas vezes dói muito nos/nas missionários/as perceber as contradições nas comunidades: ingratidão, acomodação, individualismo, mesquinhez, etc. Entretanto, assim como Deus disse a Abraão, após esse pechinchar muito: “E se houver apenas dez pessoas justas na cidade?” (Gen 18,32a). Deus respondeu: “Por amor às dez pessoas eu não destruirei a cidade” (Cf. Gen 18,32b).
Devemos perceber com olhar benevolente que no meio do povo, nas comunidades, sempre há pessoas que cultivam uma fé inabalável, uma coragem infinita para lutar, uma capacidade de amar o próximo sem igual e uma eterna gratidão. Essas pessoas são ‘minorias abraâmicas’, são ‘boas samaritanas’, e, por serem e agirem assim, alimentam todos/as que participam da caminhada do reino de Deus começando aqui e agora. Porém, não esqueçamos: opção pelos pobres deve ser vivenciada por todas as pessoas cristãs não porque os pobres são santos, puros e perfeitos, mas porque são oprimidos e injustiçados.

3.2.7. Paulo trabalha, mas questiona o trabalho escravizante
No Brasil há mais farmácia que padaria e há mais igrejas do que farmácia. Péssimo sinal. Atualmente muitos líderes religiosos – padres, pastores, etc. – vivem à custa dos fiéis das suas igrejas. Pior, muitos acumulam dinheiro usando indevidamente o nome de Deus. Isso se realiza através da Teologia da Prosperidade, que privatiza Deus e interpreta fundamentalisticamente os textos bíblicos como se Deus fosse um quebra galho para resolver problemas individuais. Entretanto, o apóstolo Paulo, pelo seu ensinamento e principalmente pelo seu testemunho, questiona os líderes religiosos que não trabalham para seu autossustento e, pior, acumulam riquezas usando em vão o nome de Deus.
Paulo é missionário, mas acima de tudo um trabalhador que gera subversão no mundo do trabalho. Diz Paulo: “Irmãos, vocês ainda se lembram dos nossos trabalhos e fadigas. Pregamos o Evangelho a vocês trabalhando de noite e de dia, a fim de não sermos peso para ninguém” (1 Ts 1,9). “Que seja para vocês uma questão de honra ... trabalhar com as próprias mãos” (1 Ts 4,11). Para não ser peso para a comunidade, Paulo dá muito valor aos trabalhos manuais e, por isso, vai contra a corrente da cultura grega, trabalhando ‘dia e noite’. Paulo é, acima de tudo, um trabalhador que anuncia o evangelho. Paulo parece que foi mais reconhecido pelas comunidades cristãs porque trabalhava em trabalho manual para o próprio sustento do que pela história do seu processo de conversão de perseguidor a missionário perseguido.
O fato de Paulo trabalhar em serviço manual se torna mais testemunho do Evangelho de Jesus Cristo se recordarmos que o Império Romano - ambiente da comunidade cristã de Tessalônica – era constituído por uma sociedade de classes. À classe dos trabalhadores escravizados, seja por guerras, seja por dívidas ou por linhagem, etc., era reservado os trabalhos manuais, trabalhos pesados que exigiam grande emprego de força física. Para agravar a opressão o Império Romano se movia nas ondas da cultura grega que, segundo o filósofo Aristóteles, considerava a escravidão como algo natural. Trabalho manual – trabalhos pesados - era coisa de escravos, não de pessoas livres e cidadãs. Para compreendermos melhor o testemunho do apóstolo Paulo que enfatiza um dos princípios cristãos, que é ‘trabalhar com as próprias mãos para o próprio sustento’, temos que entender bem as relações de trabalho e capital na nossa sociedade capitalista. E também nossa relação com o mundo do trabalho. É o que segue.

3.3.  Pano de fundo para compreendermos melhor Paulo como trabalhador e agente de pastoral emancipadora
Para compreendermos bem o ser e o agir do apóstolo Paulo faz bem recordarmos como foi nossa infância e adolescência e a nossa história de trabalho no mundo. Tomo a liberdade de socializar aqui um pouco da minha relação com o mundo do trabalho, na minha infância e adolescência, na esperança de suscitar que cada leitor/a faça memória da sua relação com o mundo do trabalho desde sua tenra idade.
Sou o que faço como práxis e faço o que faço, em grande parte, porque nasci em uma família sem-terra. Na minha infância, por pertencer à classe do campesinato trabalhando no sistema de parceria, experimentei o que significa ser expropriado. Comecei a sentir na própria pele a injustiça quando, junto com minha família, ao tocar lavoura no regime à meia, via o patrão-fazendeiro levar 50% da nossa colheita e quase a outra metade também para pagar a dívida que tínhamos acumulado do plantio à colheita comprando na venda da sede da fazenda o que era necessário para nossa subsistência, o que não produzíamos com nosso trabalho: sal, açúcar, café, querosene, remédios, botina, enxada, foice, machado e algo mais necessário à casa ou ao nosso trabalho. Indignado ao ver o patrão levar a quase totalidade da nossa produção, gritava dentro de mim: “Isso não é justo. Deus não quer isso” (MOREIRA, 2014: 64). O fazendeiro ficar com quase toda nossa produção só porque dizia ser o dono da terra?! Eu desconfiava que isso não fosse justo. O suor derramado no trabalho “de sol a sol” era muito para ficar só com um pouquinho da produção. O fazendeiro, por ser dono da terra, entrava com a semente e nós com o trabalho e na colheita, metade para ele e metade para nós.
Experiência semelhante ocorre com a classe trabalhadora na cidade, onde o/a trabalhador/a recebe como salário apenas migalhas do que produz. “Tá vendo aquele edifício, moço! Ajudei a levantar ...” A quase totalidade da produção do/a trabalhador/a é retida pela empresa, se tornando o principal produto que gera lucro e acumulação de capital. Eis um exemplo: Após mais de dez anos de luta pela terra, João Martins Pereira, hoje é um Sem Terra assentado no Assentamento Nova Conquista II, nas terras da ex-usina Ariadnópolis, em Campo do Meio, sul de Minas. Por ter sido expulso na própria terra, João teve que trabalhar em uma fábrica de cardã, barra de direção e caixa de direção em Guarulhos, SP. Ele fabricava de 20 a 30 cardãs e cerca de 200 barras de direção, por mês. Seus patrões eram dois sócios e com o êxito do negócio abriram mais três fábricas. Um mandava fazer uma coisa e o outro mandava fazer outra coisa. João resolveu pedir demissão por dois motivos: a) O valor de venda de duas a três peças das duzentas que produzia mensalmente era o suficiente para pagar o salário mínimo que ele ganhava. “Com os trezentos reais que eu ganhava não dava nem para pagar as minhas despesas de sobrevivência. Tive que exigir vale transporte. Descobri que eu estava enriquecendo os patrões e morrendo aos poucos, sendo explorado” (JOÃO MARTINS PEREIRA, Sem Terra assentado no PA Nova Conquista II, em entrevista, dia 02/3/2016). Por causa dessa experiência de expropriação e de exploração, João se engajou na luta pela terra e hoje tem saúde, felicidade e continua na luta solidário com os sem-terra que ainda não conquistaram a terra.
Durante o império romano, na língua latina, o termo que fazia referência a trabalho era e ainda é tripalium, que significa três paus para torturar escravos. Na língua grega existem dois termos para se referir a trabalho: doulos e poiesas. O termo doulos se refere ao trabalho enquanto servidão, análogo à situação de escravidão, trabalho fruto de força de trabalho vendida no mercado para viabilizar mais-valia, dizemos em linguagem do materialismo histórico-dialético. O termo poiesas se refere ao trabalho criativo, prazeroso, no qual a trabalhadora e o trabalhador produzem e gozam os frutos do seu trabalho. Trabalho no sentido de poiesas é o que o profeta Isaías na Bíblia anuncia como utopia em uma sociedade com “novos céus e nova terra”: “Os homens construirão casas e as habitarão, plantarão videiras e comerão os seus frutos. Já não construirão para que outro habite a sua casa, não plantarão para que outro coma o fruto” (Isaías 65,21-22a).
Com a instituição da propriedade privada dos meios de produção se instaurou um processo de confronto na dependência entre os seres humanos que passaram a viver em condições desiguais, forçados à divisão do trabalho.
A origem primeira dos capitalistas está na expropriação das terras das populações camponesas e na formação das grandes propriedades territoriais. Assim se substituiu o servo pelo parceiro arrendatário e se ofereceu à indústria na cidade massas contínuas cada vez mais numerosas de proletários de origem camponesa.  O operário jogado na rua, após ser expropriado da sua terra, “se vê obrigado a comprar o valor de seus meios de subsistência, sob a forma de um salário, que lhe será pago por seu novo patrão, o capitalista industrial” (MARX, 1982: 181). Antes, na posse de uma pequena gleba de terra, o camponês produzia na terra os meios de subsistência de si mesmo e de sua família e ainda com algum excedente podia trocar com outro produtor o que lhe faltava. Mas, na cidade, sem-terra e sem-moradia, tem que comprar tudo para sobreviver e, assim, é impingido a vender-se paulatinamente vendendo sua força de trabalho.
Dentro da lógica e estrutura do sistema do capital, o/a trabalhador/a não pode ter outra mercadoria para vender e nem possuir nada do que é preciso para a realização de sua força de trabalho. Sem a propriedade da terra ou de outro meio de produção, o/a trabalhador/a não terá outra opção a não ser se entregar às relações impostas pelo mercado no modo de produção capitalista, exceto sobreviver na informalidade de pequenas relações comerciais clandestinas.
Na realidade brasileira, sob o sistema do capital, com nuances de diferença, mas com muitas semelhanças em relação ao Imperialismo Romano, atualmente o que predomina é o trabalho no sentido de tripalium ou doulos: trabalho escravo, sendo renda capitalizada, em uma espécie de Servidão Moderna[5], enquanto apenas uma minoria tem garantido seu direito de trabalhar no sentido de poiesas, trabalho que dignifica a pessoa humana, pois é criativo e dá asas à criatividade. Segundo Karl Marx, trabalho é toda ação humana transformadora da natureza.
O apóstolo Paulo buscava a emancipação das pessoas, da comunidade e da sociedade. Uma pessoa emancipada se gere por relações autônomas e não heterônimas. Isto é, caminha com as próprias pernas, pensa com a própria cabeça, não é dominada e nem alienada como massa de manobra de quem está no poder do status quo opressor. Emancipar-se exige (com)viver, (inter)agir, trabalhar e criar se guiando por ‘normas’ próprias, o que implica desvencilhar-se das normas de outro, seja especificamente o patrão que compra a força de trabalho do/a trabalhador/a pagando apenas o mínimo para que a/o trabalhador/a não morra e possa continuar servindo-lhe como mercadoria e produzindo acima de tudo mais-valia, seja obedecendo às normas e leis do modo de produção capitalista imposto pelo capital e pelos capitalistas.
Atualmente há trabalho análogo à situação de escravidão não apenas na agricultura sob o regime do agronegócio no campo, mas principalmente nas grandes cidades sob a intensificação do regime de trabalho. “O produtivismo, o trabalho por metas, a intensificação do ritmo de trabalho, a produção o mais rápido possível, a terceirização e a precarização das condições de trabalho estão desumanizando milhões de pessoas. Aumenta-se assustadoramente o número de adoecimentos por trabalho extenuante” (MOREIRA, 2016: 204).
Na luta pela terra, muitas mulheres trabalham muito e são protagonistas. Entre elas Ricarda Maria Gonçalves da Costa é exemplo de protagonismo de trabalhadora na luta pela terra. Ricarda narra um pouco da sua história e do que significa para ela a luta pela terra. Ela diz:
“No êxodo rural da década de 1960, eu fui expulsa da terra. Saí da região de Novo Horizonte, perto de Catanduva, SP. Meus pais foram meeiros, mas sem condições de viver. Foi muito sofrido a gente ser expulso da terra. Saímos de costa lamentando nossa saída da terra. Em São Paulo, eu fiquei 30 anos lutando para voltar para a terra. Trabalhando como metalúrgica, eu me envolvi com a luta do sindicato dos metalúrgicos e no sindicalismo passei a entender porque a gente é oprimida. Quanto mais a gente lutava, mais a gente era perseguida. Na luta sindical passamos a entender como é o processo de opressão da classe trabalhadora e da classe camponesa. Tive que ir trabalhar na área hospitalar e depois tive que virar mascate, pois a gente não encontrava mais empresa que nos aceitasse. Vim para São José dos Campos, SP, e, ao contemplar a Serra do Mar e a Serra da Mantiqueira, eu pensava: ‘Um dia eu pulo essa montanha e vou conquistar uma terra.’ Um dia, em um evento religioso da renovação carismática da Igreja Católica, ouvi falar de Campo do Meio, sul de Minas. Eu sou muito religiosa e sempre orava: “Senhor Deus da vida, eu quero voltar para uma terra, mas onde eu possa levar tua palavra”. Vim para Campo do Meio, porque ouvi falar que tinha uma usina de açúcar e álcool parada aqui, onde se arrendava terra para trabalhar. Tentei arrendar terra na ex-usina Ariadnópolis, mas a mulher do gerente me negou. Tive que subarrendar de outra arrendatária, mas logo chegou o MST e iniciamos a luta pela terra aqui nas terras da Ariadnópolis. Nossa emancipação passa necessariamente pela posse da terra, pela democratização da terra. Sou feliz quando estou cumprindo minhas tarefas no Movimento, mas o que mais me dá satisfação é quando eu estou lidando com a mãe terra. Em contato com a terra a gente ganha energia positiva e saúde, porque a gente alimenta sem agrotóxico. É indescritível o prazer que a gente sente ao ver um pé de andu todo carregado, feijão que a gente plantou. Aqui, a gente come o fruto saudável da semente que a gente planta sem nenhum agrotóxico. No campo, nós não somos reduzidos a mercadoria. Aqui, a gente produz e goza os frutos do nosso trabalho. Aqui, os calos em minhas mãos – “veja aqui em minhas mãos!” -, o meu trabalho é em prol de mim mesma e de meus companheiros e companheiras. Aqui na roça, se eu canso, paro e descanso, e depois volto a trabalhar feliz. Eu acredito que a sociedade muda pelo prazer de estar em relação com a terra, o que é uma dádiva. Lá na cidade, um dia escrevi uma poesia que dizia: As empresas metalúrgicas me engolem às 06h00 da manhã, sem eu ver o sol nascer, e me vomitam às 18h00 ou às 20h00, sem eu ver o sol se por, sendo que eu nasci livre no campo, vendo o sol nascer, vendo o verde da natureza, sentindo o cheiro e o calor da mãe terra. Nas empresas metalúrgicas, a gente era reduzida à escravidão. Quando eu ia fazer os cálculos entre o que a gente recebia como salário e o que os empresários lucravam, eu percebia o tamanho da nossa exploração lá nas empresas metalúrgicas. Aqui na terra, a gente trabalha feliz. Aqui na luta pela terra está nosso caminho de emancipação, que nos dá saúde e libertação. Para convencer uma fatia maior de trabalhadores e camponeses para engrossar a luta pela terra, a gente tem que integrar a nossa luta com o urbano, pois muitos trabalhadores urbanos nos veem segundo a mídia que nos mostra como se a gente fosse marginal. Temos que mostrar o resultado do nosso trabalho, o companheirismo existente entre nós, o respeito que existe entre nós e convidar o povo da cidade para vir nos visitar e nos conhecer. Em Campo do Meio, eu fui acolhida pela renovação carismática, mas quando eu fui para o MST, algumas amigas se distanciaram de mim quando me viram andando com o boné do MST e empunhando a bandeira do Movimento. Hoje nós conquistamos respeito, porque dia 25 de setembro de 2015, mostramos lá na cidade de Campo do Meio o decreto do governador de Minas, Fernando Pimentel, desapropriando as terras da Ariadnópolis para nós. Eu fiz um agradecimento em cima do caminhão de som. As assentadas, como a Lúcia e a Obed, continuam lutando por nós que estamos acampadas. Mesmo depois de assentada, eu nunca vou parar de lutar pela terra, pelos sem-terra e em defesa de todo o povo oprimido. Formação permanente do povo é necessária. Todos precisam entender que somos da classe oprimida. Temos que exercitar no nosso dia a dia a pedagogia do oprimido. Na luta pela terra, freando o agronegócio e a superexploração das empresas na cidade, nós estamos salvando o planeta (RICARDA MARIA GONÇALVES DA COSTA, Sem Terra há 14 anos acampada no Acampamento Rosa Luxemburgo, integrante da coordenação da Feira da Agricultura Camponesa de Campo do Meio, em entrevista a frei Gilvander, dia 02/3/2016).”
A Sem Terra Ricarda demonstra pelo trabalho e pelo que ensina o que o apóstolo Paulo defende na 1ª Carta aos Tessalonicenses relativo à importância e ao jeito de se trabalhar pelo próprio sustento e para não ser peso para os outros. No final da 1ª carta aos tessalonicenses, Paulo adverte: “Não esqueçam as profecias!” (1 Ts 5,20). O mesmo nos disse Dom Hélder Câmara e Dom Luciano Mendes: “Não deixem a profecia cair!. Não esqueçam os pobres!”. Ouçamos as profetisas e os profetas, quem consola os aflitos e incomoda os injustos.

Referências

MARX, Karl. O Capital. Edição resumida. 7ª edição. Rio de Janeiro: Zahar Editores, 1982.
MOREIRA, Gilvander Luís. Laudato si´ e as lutas dos movimentos socioambientais. In: MURAD, Afonso; TAVARES, Sinivaldo Silva (Org.). Cuidar da Casa Comum: chaves de leitura teológicas e pastorais da Laudato Si´, p. 197-217. São Paulo: Paulinas, 2016.
MOREIRA, Gilvander Luís. Jesus de Nazaré e as CEBs: da Solidariedade à luta por Justiça. Por uma pedagogia emancipatória, p. 64-74. In: FERRARO, Benedito; DORNELAS, Nelito (Org.). CEBs: raízes e frutos ontem e hoje. Goiânia: Scala Editora, 2014.

Belo Horizonte, MG, 08 de julho de 2017.



[1] Artigo do livro COSTA, Julieta Amaral da; Moreira, Gilvander Luís; LEITE, Iêda Santos; DINIZ, Lúcia; SABOYA, Marisa Mourão; PEIXOTO, Western Clay. Comunidade de Tessalônica: fermento do Reino na grande Cidade – uma leitura da 1ª Carta aos Tessalonicenses feita pelo CEBI-MG. Belo Horizonte: CEBI-MG, 2017, p. 39-50.
[2] Padre carmelita, mestre em Exegese Bíblica, doutor em Educação na FAE/UFMG, da coordenação da CPT/MG, assessor do CEBI, de CEBs, do SAB e de Movimentos Sociais Populares de luta pela moradia; e-mail: gilvanderlm@gmail.com  – www.freigilvander.blogspot.com.br - www.gilvander.org.brwww.twitter.com/gilvanderluis - facebook: Gilvander Moreira III


[3] Cf. 1 Ts 1,1.3.6.8; 2,15.19; 3,11. 12.13.
[4] Cf. 1 Ts 1,4; 2,1.9.14.17; 3,2.7; 4,1.6.10a.10b.13; 5,1.4.12.14.25.26.27.
[5] Filme disponível na internet no seguinte link: https://www.youtube.com/watch?v=Ybp5s9ElmcY , acesso em 15/11/2015, às 21h28.